MENU

 Simulados >> teste seus conhecimentos!!!

Simulados das principais matérias do vestibular

 
Literatura Brasileira - Romantismo
 

   

1. (FUVEST – 2001) - Teu romantismo bebo, ó minha lua,
A teus raios divinos me abandono,
Torno-me vaporoso... e só de ver-te
Eu sinto os lábios meus se abrir de sono.

Neste excerto, o eu-lírico parece aderir com intensidade aos temas de que fala, mas revela, de imediato, desinteresse e tédio. Essa atitude do eu-lírico manifesta a:

a) aversão dos românticos à natureza
b) melancolia romântica
c) fuga romântica para o sonho
d) tendência romântica
e) ironia romântica

2. Minh’alma é triste como a rola aflita
Que o bosque acorda desde o albor da aurora,
E em doce arrulo que o soluço imita
O morto esposo gemedora chora.

A estrofe apresentada revela uma situação caracteristicamente romântica. Aponte-a.

a) A morte, impregnando todos os seres e coisas, tira do poeta a alegria de viver
b) O poeta recusa valer-se da natureza, que só lhe traz a sensação da morte
c) O poeta atribui ao mundo exterior estados de espírito que o envolvem
d) A natureza agride o poeta: neste mundo, não há amparo para os desenganos morosos
e) A beleza do mundo não é suficiente para migrar a solidão do poeta

3. De acordo com a posição romântica, é correto afirmar que:

a) A visão de mundo romântica é centrada no sujeito, no “eu” do escritor, daí a predominância da função emotiva na linguagem do Romantismo
b) A natureza é expressiva no Romantismo e decorativa no Arcadismo
c) Com a liberdade criadora implantada no Romantismo, as regras fixas do Classicismo caem e “o poema 
começa onde começa a inspiração e termina onde esta termina”
d) Nenhuma das alternativa está correta
e) Todas as alternativas anteriores estão corretas

4. Inês, no episódio Inês de Castro, da obra Os Lusíadas, de Camões, é tão idealizada quanto as virgens sonhadas em Álvares de Azevedo na primeira parte da Lira dos Vinte Anos. Por que, então, parece-nos real?

a) Álvares de Azevedo traduz na subjetividade da beleza e na subjetividade do amor um novo conceito, pois deixa de situar o amor no distanciamento de uma imagem, para inseri-lo e enraizá-lo na proximidade do real e na autenticidade da vivência; já Camões, deixa-se conduzir pela imaginação adolescente e casta, fruto de experiências amorosas frustradas
b) Camões traduz na subjetividade da beleza e na subjetividade do amor um novo conceito, pois situa o amor no distanciamento de uma imagem, para inseri-lo e enraizá-lo na proximidade do real e na autenticidade da vivência; já Álvares de Azevedo, deixa-se conduzir pela imaginação adolescente e casta, fruto de experiências amorosas frustradas.
c)  Camões traduz na subjetividade da beleza e do amor um novo conceito, pois deixa de situar o amor na aproximação de uma imagem, para inseri-lo e enraizá-lo no distanciamento do real e na autenticidade da vivência; já Álvares de Azevedo, deixa-se conduzir pela imaginação adolescente e casta, fruto de experiências amorosas frustradas.
d) Camões traduz na subjetividade da beleza e na subjetividade do amor um novo conceito, pois deixa de situar o amor no distanciamento de uma imagem, para inseri-lo e enraizá-lo na proximidade do real e na autenticidade da vivência; já Álvares de Azevedo, deixa-se conduzir pela imaginação adolescente e casta, fruto de experiências amorosas frustradas
e) n.d.a.

Texto para as questões 05 e 06
 
Namoro a Cavalo
 
Eu moro em Catumbi. Mas a desgraça
Que rege a minha vida malfadada
Pôs lá no fim da rua do Catete
A minha Dulcinéia namorada.
 
Alugo (três mil réis) por uma tarde
Um cavalo de trote (que esparrela!)
Só para erguer meus olhos suspirando
À minha namorada na janela...
 
Todo o meu ordenado vai-se em flores
E em lindas folhas de papel bordado,
Onde eu escrevo trêmulo, amoroso,
Algum verso bonito... mas furtado.

5. O que aproxima e o que diferencia a mulher de “Namoro a Cavalo” e as mulheres da primeira parte da Lira?

a) Em comum elas têm a distância, pois com nenhuma delas o poeta concretiza o amor. No entanto, as mulheres da primeira e terceira partes são etéreas e idealizadas; as da Segunda são vulgares, caem no ridículo.
b) Em comum elas têm a distância, pois com nenhuma delas o poeta concretiza o amor. No entanto, as mulheres da primeira e terceira partes são vulgares, caem no ridículo; as da Segunda são etéreas e idealizadas
c) Em comum elas têm a distância, pois com nenhuma delas o poeta concretiza o amor. No entanto, as mulheres da primeira e segunda partes são etéreas e idealizadas; as da terceira são vulgares, caem no ridículo
d) Em comum elas têm a distância, pois com nenhuma delas o poeta concretiza o amor. No entanto, as mulheres da primeira e segunda partes são vulgares, caem no ridículo; as da terceira são etéreas e idealizadas
e) Em comum elas têm a distância, pois com todas elas o poeta concretiza o amor. No entanto, as mulheres da primeira parte são etéreas e idealizadas; as das Segunda e terceira são vulgares, caem no ridículo

6. Por que a poesia acima foge dos padrões da 1ª e 3ª partes da Lira dos Vinte Anos?

a) Enquanto a primeira e terceira partes apresentam poesias de tendência tipicamente ironicas, este é romantico.
b) Enquanto a primeira e terceira partes são satíricos, debochando dos sentimentos, são irônicas e bem-humoradas, estes apresentam poesias de tendência tipicamente românticas
c) Enquanto a primeira e terceira partes apresentam poesias de tendência tipicamente românticas, este é satírico, debochando dos sentimentos, é irônica e bem-humorada
d) Enquanto a primeira parte apresenta poesia romantica, a terceira parte apresenta poesia de tendência tipicamente irônica, este é satírico, debochando dos sentimentos e bem-humorada
e) n.d.a.

7. Assinale a alternativa que traz apenas características do Romantismo:

a) idealismo – insatisfação – escapismo – natureza convencional – objetividade
b) egocentrismo – predomínio da poesia lírica – relativismo – insatisfação – idealismo
c) predomínio do sentimento – liberdade criadora – temas cristãos – natureza convencional – valores absolutos
d) idealismo – religiosidade – objetividade – escapismo – temas pagãos
e) egocentrismo - religiosidade - escapismo - inssatisfação

8. O texto abaixo é um fragmento do romance O Guarani, de José de Alencar:
Cenário
De um dos cabeços da Serra dos Órgãos desliza um fio de água que se dirige para o norte, e engrossado com os mananciais, que recebe no seu curso de dez léguas, torna-se rio caudal.
É o Paquequer: saltando de cascata em cascata, enroscando-se como uma serpente, vai depois se espreguiçar na várzea e embeber no Paraíba, que rola majestosamente em seu vasto leito.
Dir-se-ia que, vassalo e tributário desse rei das águas, o pequeno rio, altivo e sobranceiro contra os rochedos, curva-se humildemente aos pés do suserano. Perde então a beleza selvática; suas ondas são calmas e serenas como as de um lago, e não se revoltam contra os barcos e as canoas que resvalam sobre elas: escravo submisso, sofre o látego do senhor.
Não é neste lugar que ele deve ser visto; sim três ou quatro léguas acima de sua foz, onde é livre ainda, como o filho indômito desta pátria da liberdade.
Ai, o Paquequer lança-se rápido sobre seu leito, e atravessa as florestas como o tapir, espumando, deixando o pêlo esparso pelas pontas do rochedo, e enchendo a solidão com o estampido de sua carreira. De repente, falta-lhe o espaço, foge-lhe a terra; o soberbo rio recua um momento para concentrar as suas forças, e precipita-se de um só arremesso, como o tigre sobre a presa.
Depois, fatigado do esforço supremo, se estende sobre a terra, e adormece numa linda bacia que a natureza formou, e onde o recebe como em um leito de noiva, sob as cortinas de trepadeiras e flores agrestes.
A vegetação nestas paragens ostentava outrora todo o seu luxo e vigor; florestas virgens se estendiam ao longo das margens do rio, que corria no meio das arcarias de verduras e dos capitéis formados pelos leques das palmeiras.
........................................................
Aí, ainda a indústria do homem tinha aproveitado habilmente da natureza para criar meios de segurança e defesa.
De um e outro lado da escada seguiam dois renques de árvores, que, alargando gradualmente, iam fechar como dois braços o seio do rio; entre o tronco dessas árvores, uma alta cerca de espinheiros tornava aquele vale impenetrável.  
(José de Alencar. O Guarani. 17. ed. São Paulo, Ática, 1992. p. 15-6)

Justifique a afirmação abaixo sobre o romance O Guarani, de José de Alencar: A utilização de recursos estilísticos permite-nos dizer que o cenário criado pelo narrador manifesta o tema da integração da natureza e da cultura.

a) A natureza é antropomorfizada, animizada e culturalizada.
 antropomorfismo: elementos da natureza vistos como seres humanos ¾ livre, soberbo, altivo, sobranceiro, filho indômito desta pátria de liberdade, escravo submisso etc.
 dinamicidade: atribui-se vida à natureza através de verbos que indicam movimento ¾  enroscando-se como uma serpente, se espreguiçar etc.
culturalização: comparações da natureza com artefatos feitos pelo homem ¾ a bacia onde o Paquequer  adormece é visto como um leito de noiva, as trepadeiras e flores agrestes, como cortinas, os galhos das árvores, como arcos etc
b) A natureza é antropomorfizada, animizada e culturalizada. Antropomorfismo: comparações da natureza com artefatos feitos pelo homem ¾ a bacia onde o Paquequer adormece é visto como um leito de noiva, as trepadeiras e flores agrestes, como cortinas, os galhos das árvores, como arcos etc. Dinamicidade: atribui-se vida à natureza através de verbos que indicam movimento ¾  enroscando-se como uma serpente, se espreguiçar etc.
Culturalização: elementos da natureza vistos como seres humanos ¾ livre, soberbo, altivo, sobranceiro, filho indômito desta pátria de liberdade, escravo submisso etc.
c) A natureza é antropomorfizada, animizada e culturalizada. Antropomorfismo: atribui-se vida à natureza através de verbos que indicam movimento ¾  enroscando-se como uma serpente, se espreguiçar etc.
Dinamicidade: elementos da natureza vistos como seres humanos ¾ livre, soberbo, altivo, sobranceiro, filho indômito desta pátria de liberdade, escravo submisso etc.
Culturalização: comparações da natureza com artefatos feitos pelo homem ¾ a bacia onde o Paquequer adormece é visto como um leito de noiva, as trepadeiras e flores agrestes, como cortinas, os galhos das árvores, como arcos etc.
d) A natureza é antropomorfizada, animizada e culturalizada. Antropomorfismo: elementos da natureza vistos como seres humanos ¾ livre, soberbo, altivo, sobranceiro, filho indômito desta pátria de liberdade, escravo submisso etc.
Dinamicidade: comparações da natureza com artefatos feitos pelo homem ¾ a bacia onde o Paquequer adormece é visto como um leito de noiva, as trepadeiras e flores agrestes, como cortinas, os galhos das árvores, como arcos etc.
Culturalização: atribui-se vida à natureza através de verbos que indicam movimento ¾  enroscando-se como uma serpente, se espreguiçar etc.
e) n.d.a.

9. (FUVEST – 2001) Assim, o amor se transformava tão completamente nessas organizações*, que apresentava três sentimentos bem distintos: um era uma loucura, o outro uma paixão, o último uma religião.
............ desejava; ............. amava; .............. adorava
(*organizações = personalidades)
Neste excerto de O Guarani, o narrador caracteriza os diferentes tipos de amor que três personagens masculinas sentem por Ceci. Mantida a seqüência, os trechos pontilhados serão preenchidos corretamente com os nomes de:

a) Álvaro / Peri / D. Diogo
b) Álvaro / D. Diogo / Peri
c) Loredano / D. Diogo / Peri
d) Loredano / Álvaro / Peri
e) Loredano / Peri / D. Diogo

10. Se uma lágrima as pálpebras me inunda,
Se um suspiro nos seios treme ainda,
É pela virgem que sonhei...que nunca
Aos lábios me encostou a face linda! (Álvares de Azevedo)

A característica do Romantismo mais evidente nesta quadra é:

a) o pessimismo
b) a idealização da mulher
c) a presença do sonho
d) o confessionalismo
e) o espiritualismo

Você acertou questão(ões).

 

Gabarito Simulado de Matemática

01 - E           02 - C           03 - E          04 - D             05 - A

06 - C           07 - B           08 - A           09 - D            10 - B

<<< Voltar

 

 
 Página Principal

Fale Conosco | Anuncie Aqui | Cadastro | Notícias | Home



 

WebVestibular - O Site do Vestibulando - O Vestibulando em primeiro lugar! Desde 07/2000

Topo

.